Diabetes sob controle: conheça os avanços no tratamento da doença

    

Diabetes sob controle: conheça os avanços no tratamento da doença


Novo medicamento de uso oral para diabéticos tipo 2 dispensa agulhas e ajuda a perder peso



Para muitos que têm diabetes tipo 2, aplicar medicações através das agulhas pode ser um transtorno. Mas, com os avanços das tecnologias para o tratamento da doença, que ainda não tem cura e atinge cerca de 14 milhões de brasileiros, os pacientes terão a chance de optar por outra forma de medicação. Recentemente, foi introduzida no mercado brasileiro uma versão oral para tratar diabetes mellitus tipo 2.  

De acordo com a Dra. Fernanda Lopes, endocrinologista da Dasa Centro-Oeste (Exame Medicina Diagnóstica, Laboratório Bioclínico, Atalaia Medicina Diagnóstica e Cedic Cedilab Imagem e Laboratório), o diabetes mellitus é uma condição clínica em que há uma elevação da glicose no sangue. Segundo a médica, isso pode ocorrer por deficiência na produção de insulina, causa do diabetes tipo 1, ou por uma resistência à ação da insulina no corpo que ocorre por aumento da gordura abdominal, que é causa do tipo 2. 

O novo medicamento, voltado para a diabetes tipo 2, é composto pela semaglutida – um análogo de hormônio GLP-1. A Dra. Jamily Drago, endocrinologista do Hospital Brasília, também pertencente à Dasa, explica que o GLP-1 é um hormônio intestinal que, em pacientes obesos e também em diabéticos, apresenta índices muito baixos. “Com a reposição desse hormônio, ele faz a modulação da insulina, causando, além de uma saciedade maior, também o controle glicêmico o mais perfeito possível”, afirma a especialista. 

Segundo a Dra. Jamily, o grande desafio para os pesquisadores estava relacionado ao análogo GLP-1, que é um peptídeo e costuma ser dissolvido pela acidez gástrica. “Os cientistas conseguiram inserir, na composição do medicamento, uma molécula que é liberada lentamente, juntamente com os ácidos gástricos, chegando a um efeito desejado, que controla tanto a diabetes como também ajuda a perder peso”, esclarece. 

Além de dispensar o uso de agulhas, uma das grandes vantagens do novo medicamento é que ele ajuda a perder peso e sustenta essa diminuição a longo prazo. “Além de conseguirmos controlar a glicemia, vamos também controlar a obesidade. É uma dupla droga na ‘diabesidade’ – um mix das duas doenças em um paciente só”, destaca a endocrinologista do Hospital Brasília. 

A Dra. Fernanda explica que, uma vez instalado, o diabetes causa grandes complicações vasculares: há um maior risco de infarto; derrame; comprometimento renal; neuropatia diabética, que pode levar a amputações; retinopatia diabética, que pode causar cegueira, entre outras consequências. A Dra. Jamily ainda reforça que a classe de novos medicamentos contra a diabetes é capaz de prevenir doenças cardiovasculares. “Já estamos com medicamentos que previnem, de forma primária e secundária, o AVC e o infarto, e a insuficiência cardíaca. É sempre uma boa notícia quando a gente tem uma medicação que supera as expectativas”, finaliza a especialista.  

Diagnóstico 

O diagnóstico do diabetes é feito a partir dos exames de laboratório - Glicemia em jejum (GJ) e hemoglobina glicada (A1C). Caso o GJ de um paciente seja maior que 200mg/dl ou o A1C seja maior que 6,5%, ele é considerado diabético.  

“É importante lembrar que o diagnóstico deve sempre ser feito por um médico, que poderá analisar os exames e indicar o melhor curso de ação’, destaca a endocrinologista Fernanda Lopes.   


Hábitos saudáveis são aliados

Além do uso de medicamentos, em casos necessários e com indicação médica, a base para o tratamento da diabetes é dieta e atividade física. “A alimentação adequada e exercícios regulares auxiliam no controle glicêmico e a medida frequente da glicemia capilar, pelo glicosímetro, é uma ferramenta importante para o paciente conhecer sua glicemia e entender o quanto a alimentação e o esforço físico auxiliam no dia a dia” informa Dra. Fernanda. 

A especialista acredita que a mudança no estilo de vida, com melhores hábitos alimentares e a prática de atividade física, é um grande desafio e, por isso, muitos pacientes têm dificuldade de seguir essas orientações ao longo da vida. “Apenas medicamentos não controlam o diabetes por muito tempo e, com a doença descontrolada, aparecem complicações sérias”, conclui a médica. 

 

Postar um comentário

0 Comentários