DIA MUNDIAL DE COMBATE À VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER


O 25 de novembro foi escolhido em homenagem às irmãs Patria, María Teresa e Minerva Maribal, que foram violentamente torturadas e assassinadas nesta mesma data, em 1960, a mando do ditador da República Dominicana Rafael Trujillo. As três combatiam fortemente aquela ditadura e pagaram com a própria vida. Seus corpos foram encontrados no fundo de um precipício, estrangulados, com os ossos quebrados. As mortes repercutiram, causando grande comoção no país. Pouco tempo depois, o ditador foi assassinado.

 

No ano de 1999, a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas instituiu 25 de novembro como o Dia Internacional da Não-Violência Contra a Mulher, em homenagem às três irmãs. Ou seja, nessa data, todos os anos, incitam-se reflexões sobre a situação de violência em que vive considerável parte das mulheres em todo o mundo.

 

Segundo pesquisa do Datafolha encomendado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, uma a cada quatro mulheres, acima dos 16 anos, pode ter sido vítima de algum tipo de violência durante a pandemia no Brasil.

 

No Brasil, 45% das mulheres em situação de violência sofrem agressões diariamente; para 35%, a agressão é semanal (Centro de Atendimento à Mulher). Em média, a cada 8 minutos uma mulher é estuprada em nosso país. (Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2020). Mais de 100 milhões de meninas poderão ser vítimas de casamentos forçados durante a próxima década (UNICEF).

 

A deputada federal Aline Sleutjes defende que as mulheres devem conquistar espaço, que tenham qualificação profissional, tenham espaço na política, independência financeira, que tenham direito à saúde, apoio psicológico, segurança e dessa forma terão condições de sair de relacionamentos abusivos.

 

"É inaceitável qualquer tipo de violência contra a mulher, temos que os unir e combater essa atrocidade, o governo tem feito um trabalho muito sério com relação às mulheres, campanhas foram criadas, como a "sinal vermelho" que ajuda mulheres a pedirem socorro de maneira discreta: desenhando um X vermelho na palma da mão e acabamos de aprovar em Plenário o PL 301/2021, que amplia a pena dos crimes contra a honra e ameaça cometidos no contexto de violência doméstica e familiar contra mulher, sem contar com as diversas políticas públicas voltadas ao tema" comentou a vice líder do governo do Congresso Nacional Aline Sleutjes.

 

No dia 26 de novembro de 2021 a Ministra Damares e a deputada Aline Sleutjes, participaram na cidade de Cascavel de grande fórum com o tema: combate à violência contra a mulher.  Promovido pela Associação das Primeiras Damas do Oeste do Paraná ADAMOP e Escola do Legislativo da Câmara Municipal de Cascavel, o evento ocorrerá no Teatro Municipal Sefrin Filho. Na ocasião haverá debate e apresentação das medidas tomadas pelo governo federal para o combate à violência contra a mulher.     

 

"Me sinto honrada por fazer parte desse evento, por ter a companhia da nossa Ministra Damares, uma mulher de fibra, que inspira a todos nós. Vamos debater um assunto muito importante, pois falar de mulher, falamos da essência da família, do alicerce da sociedade. Espero trazer um debate que amplie horizontes mostrando possibilidades, avanços e acima de tudo esperança. Mostrar que com trabalho sério, dedicação e responsabilidade o governo tem feito a diferença na defesa e proteção das mulheres". Finalizou Sleutjes.

Postar um comentário

0 Comentários