Consumo consciente e economia compartilhada, as prioridades da Geração Z

Para o especialista em consumo Alexandre Mutran, os jovens buscam propósito tanto para empreender como para adquirir serviços e produtos

Os jovens nascidos no Brasil entre 1995 e 2010, a chamada Geração Z, preferem investir em experiências – preferencialmente aquelas que não agridem o meio ambiente – como cursos de aperfeiçoamento profissional e viagens – em vez de colocar o dinheiro em patrimônio físico, como carro e casa, a exemplo de que fizeram seus pais e avós.  O consumo em grandes cadeias de lojas e shoppings parece perder força com este público também. “Eles querem apoiar pequenos produtores, comércios de bairro, artesãos, pois percebem que o investimento no entorno traz retorno social, mais igualdade de renda e de oportunidades”, avalia o professor da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) e diretor de marketing da Aon, Alexandre Mutran.      

Especialista em consumo, ele pontua também a adesão cada vez maior dos jovens pela economia compartilhada, que vai desde o uso de aplicativos de transporte, aluguel de bicicletas e uso do Airbnb.  “Essa geração percebeu que, ao dividir custos, sobram recursos para investir na carreira, conhecer novos lugares, sem ter o ônus da propriedade, como o pagamento de impostos como IPTU ou IPVA”.

Para Mutran, o novo comportamento tem relação direta com as informações sobre o aquecimento global e suas consequências. “O último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, da Organização das Nações Unidas (ONU), divulgado no início de agosto, constatou que, até o fim do Século 21 poderá ocorrer um aquecimento global acima de 1,5 ° C e 2 ° C, a menos que haja reduções profundas nas emissões de CO2 e outros gases de efeito estufa nas próximas décadas. E a geração Z é bem consciente de que o consumo sustentável pode ajudar na mitigação desses danos”.  

Segundo reportagem recentemente publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, o novo perfil de gastos e construção de patrimônio da geração Z se apresenta com uma mudança “radical” quando comparamos com outras gerações.  Na publicação, o jornal avalia que o foco do consumo é direcionado para “novas experiências, estudos e lazer em um orçamento enxuto”.

A compra via internet é outra marca da geração Z, mostra a reportagem do jornal paulistano. Estudo recente da CNDL (Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas) e pelo SPC Brasil aponta que nove em cada dez pessoas realizaram uma compra online nos últimos 12 meses. O levantamento foi realizado com 958 pessoas maiores de idade e de todas as classes econômicas. Dentre os entrevistados, 55% afirmaram que pediram comida por aplicativo de delivery, 45% compraram artigos de vestuário, 37% adquiriram com celulares e 36% gastaram com streaming de filmes e séries, conforme destacou a publicação. “Essa é uma geração que já nasceu da era da internet e associa consumo a compras online”, observa Mutran.

*Head de Marketing e Comunicação da Aon para o Brasil e Professor de pós-graduação na ESPM. Mestre em Comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi, foi gerente de Comunicação Regional da Globo e liderou o atendimento das agências Tudo, África, Dentsu, MPM e Eugenio. Mutran está à disposição da imprensa para detalhar o perfil de consumo da Geração Z e sua relação com a sustentabilidade. 

Postar um comentário

0 Comentários